Horta critica administração Eurico e oposição, diz que José Luís Moreira será seu braço direito e garante triplicação do quadro de sócios

Faltando um pouco mais de um mês para as eleições no Vasco, Fernando Horta, presidente da Unidos da Tijuca que foi o primeiro vice presidente de Eurico Miranda lançará sua candidatura nesse sábado (7). Além de José Luis Moreira e Paulo Angioni, que participaram da atual gestão, o candidato Otto Carvalho (Ao Vasco Tudo) anunciou ontem, o apoio ao mandatário da escola de samba.

Candidato pela chapa Mudança com Segurança, Fernando Horta falou de forma exclusiva para o Torcedores.com sobre sua relação com o Eurico e possíveis investimentos.

“A gente foi amadurecendo e eu cheguei a conclusão que eu tenho muito mais a dar para o Vasco e posso fazer a diferença, por isso decidi ser candidato. Quase fui em 2014, mas naquele momento tinha problemas particulares para resolver e como o Vasco vinha de uma administração muito desastrosa, eu achei que não tinha tempo suficiente que o clube necessitava, então desisti da candidatura. Entre os candidatos que se apresentavam ao pleito, achei que o melhor seria o Eurico por causa da experiencia que ele tinha, por isso dei o apoio a ele”, contou o candidato.

Além Fernando Horta (Mudança com Segurança), Alexandre Campello (Frente Vasco Livre), Eurico Miranda (Reconstruindo o Vasco) e Julio Brant (Sempre Vasco) são candidatos para eleição que acontecem dia 7 de novembro. Nas redes sociais, os torcedores pedem união das oposições para não dividirem os votos como em 2014, na qual Eurico Miranda venceu.

“A minha pretensão é fazer uma pacificação, ter uma harmonia dentro do Vasco e quanto menos oposição tiver melhor, mas eu estou pronto a dialogar. Se as outras chapas não quiserem se juntar a mim eu vou ter que enfrentar e mesmo assim acho que tenho grandes chances de ganhar a eleição, mesmo com 4 chapas. Se tivesse uma pesquisa eu até podia ficar fora, embora quando eu fale que sou o único que pode ganhar do Eurico é em diversas situações, ganhar dele no conselho de beneméritos, em qualquer outra situação. Sou o candidato mais gabaritado para tomar conta do Vasco da Gama, até porque eu conheço muito mais de Vasco do que eles. Eu acho que os outros candidatos tinham que se juntar a mim, ficar comigo e em seguida, quem sabe fazer uma carreira ou na próxima ser candidato, contando que ele conheça o Vasco. Se eu perdesse a pesquisa estaria disposto a abrir, quem tem que escolher o presidente do Vasco é o sócio”, afirmou Fernando Horta.

Horta preferiu deixar para falar de propostas para o dia do lançamento de sua chapa, mas garantiu que deve aproveitar membros da atual gestão, mas não dará cargos para Eurico e sua família,que hoje cuidam do futebol profissional e no de base.

“Não farei um caça as bruxas. Nesse tempo que passei lá no Vasco vi pessoas interessantes. Isso vai ser analisado, mas tem pessoas ali que prestam serviço legal ao Vasco e outras que só não prestam mais porque não tem autonomia para prestar e não são incentivadas para isso, mas não tem caça as bruxas não, até porque quando eu falo em fazer uma pacificação, eu não posso ter essa mentalidade. Não tem como os filhos dele continuarem na minha gestão, o Alvaro até fez um trabalho legal na base, mas não tem como. Os funcionários do Vasco tem que ser profissionais”, disse presidente da Unidos da Tijuca.

Veja o que Fernando Horta falou sobre outros temas:

Desgaste com Eurico:

“O maior desgaste que eu tive com o Eurico foi quando acabou a Série B. Eu falei que teria que ter uma mudança, que não aceitaria mais aquilo porque eu era muito cobrado, era muito xingado na rua e tínhamos que tomar uma atitude. Quando resolveram mandar o Jorginho embora, ele perguntou minha opinião sobre técnico, mas já tinha uma ideia formada. Eu falei que queria me envolver no futebol porque estávamos em uma administração ruim no esporte, dei minhas opiniões sobre o técnico, passaram quatro, cinco dias e ele anunciou um treinador sem falar comigo. Você viu no que deu, contratou o Cristóvão e o Vasco perdeu quatro meses ali. Depois nunca mais me perguntou. Quando eu apoiei ele pensei que tinha mudado por ter ficado muito tempo fora da administração, mas é o jeito dele e não consegue mudar. Acho que esse tipo de administração está ultrapassada, o Vaso não é um mercadinho, não é uma empresa familiar, o Vasco é quase uma mini prefeitura. Tem estados no Brasil que não tem o tamanho financeiro e numero de funcionários do Vasco, então não pode ser administrado só por uma pessoa, tem que ter um líder, mas em todos os setores tem que ter pessoas capacitadas para comandar”.

Investimentos:

“Eu te garanto que o quadro de sócios vai triplicar rapidamente e os investidores vão aparecer, isso dai é como dois mais um ser três. Temos muitas conversas adiantadas, mas não vou falar quem são porque uma coisa ou outra pode falhar e eu não quero iludir o sócio do Vasco. A gente tem que estar na frente da instituição, não adianta falar para ajudar fulano, tem que ter a caneta. Tenha certeza que os patrocinadores vão aparecer e vão ter confiança no que estão fazendo. O Vasco é um clube que tem somente a Caixa e mesmo assim com um valor bem reduzido, mas não sei nem quanto está, sei que é menos que o Botafogo recebe. Eu não tinha acesso a nada”.

Tempo para administrar o Vasco:

“Infelizmente vou ter que abrir mão da Unidos da Tijuca, temos eleições lá em março. Lógico que vou cumprir meu mandato, colocar esse carnaval na rua e depois vou ficar no Vasco que é onde eu tenho que ficar. Nesses dois primeiros meses vou ficar só pouco tempo na Tijuca, até porque o carnaval está praticamente pronto, a escola está com uma administração boa, ela anda sozinha. Eu fico lá porque eu gosto de ficar, não é porque precise, ela anda com sua próprias pernas, ou melhor, ela anda com a boa administração que fizemos nela”.


Papel de Zé Luis Moreira e Paulo Angioni:

“O Zé Luis e o Paulo Angioni vão fazer parte da minha administração. Eles são bons profissionais e pessoas honestas, mas o lugar que eles vão atuar ainda não sei. Eu tenho que estar cercado de pessoas boas. O Zé Luis não tem nada que deponha contra ele, foi uma pessoa que ajudou muito o Vasco, até financeiramente. O Angioni é um bom profissional e vamos ver onde ele poderá se encaixar. O Zé Luis será meu braço direito, mas não quer dizer que seja no futebol, ainda não decidimos nada. Vamos procurar pessoas gabaritadas para cuidar do futebol e acho que o próprio Zé Luis não está querendo”.


Acordo com Eurico:

“Nós tínhamos o acordo de ter uma administração compartilhada e se a administração fosse legal e eu decidisse ser candidato ia ter o apoio dele. Os acordos pra mim valem mais de boca do que assinados, até porque eu ia pensar se queria ou não queria, mas isso ai foi coisa do passado, já foi,já era e vida que segue”.

Documento para refazer reunião do conselho deliberativo:

“Eu não assinei porque estava dentro de uma administração, tanto é que agora eu já assinei embora não concordasse com aquela lista que o Otto fez. Eu não concordei com aquilo, não participei nem da reunião. Acho que o benemérito do Vasco tem que ser valorizado, eu não aceitei aquilo e por isso não fui nem na reunião, agora,eu não posso estar dentro de uma administração e assinar algo contra ela.”


Acham que é manobra da situação:

“Quem me conhece sabe que sou um homem que tenho palavra, eu nunca faria um negócio desse, não tem nada pra dividir nada e quem pensa isso do Otto também pensa errado. Antes do Otto se candidatar, ele veio falar comigo, tanto é que o Eurico ficou muito chateado naquela altura. O Otto me perguntou se eu era candidato e disse que ia decidir isso lá na frente, ai ele disse que iria se candidatar e eu disse que todo sócio tem direito de ser candidato, mas que achava que não era o momento e tinha que aguardar mais um puco, só que ele preferiu ser e é um direito que ele tem. Se as pessoas acham que estou vindo para dividir é mentira, porque se não eu ficava. Se eu tivesse junto com o Eurico, ele ganhava as eleições de lavada. Já está provado através de pesquisa que a grande maioria dos votos que eu tiro é do Eurico. Porque iria querer dividir? Se eu continuasse seria fácil para ele ganhar, então quem pensa isso que estou dividindo a oposição é idiota”.

Nota gestão Eurico:

“Eu prefiro não dar nota, no carnaval a gente vive de nota e por isso sou traumatizado com esse negocio de nota, mas posso dizer que se eu achasse que era uma administração boa, que estava legal, eu continuaria nela e não seria candidato”.

O que o torcedor pode esperar:

“Dedicação, honestidade que é o principal. Eu não vou viver do Vasco,eu vou viver no Vasco e pode ter certeza que vou reformar o Vasco da Gama, em todos os sentidos.O Vasco é muito grande e está se apequenano. Teremos 3 anos para mudar isso com uma gestão moderna, pessoas competentes e uma mescla dos antigos com os mais novos, mesmo sabendo que vou pegar o club com muita dificuldade”.

Fonte: Netvasco